Teste COVID-19

( Atualizado a 01/10/2021 )

6 minutos de leitura

Quais os testes disponíveis atualmente em Portugal?

Os testes disponíveis, atualmente, em Portugal são:

  • Testes Moleculares de Amplificação de Ácidos Nucleicos (TAAN): são o método de referência para o diagnóstico e rastreio e confirmam a presença do vírus SARS-CoV-2 responsável pela doença COVID-19. São testes feitos com amostras recolhidas, através de zaragatoa, da região do nariz e/ou da garganta. Os seus resultados devem ser conhecidos no prazo máximo de 24 horas após a prescrição
  • Testes Rápidos de Antigénio (TRAg): são testes de proximidade cujos resultados são conhecidos após 15 a 30 minutos da realização
  • Autotestes: são testes rápidos de antigénio de baixa complexidade de serem feitos, e que permitem a sua utilização por pessoas que não profissionais de saúde ou outros profissionais habilitados
  • Testes serológicos: são os que avaliam se a pessoa tem anticorpos específicos para a COVID-19. Estes não são utilizados para o diagnóstico da COVID-19

Onde posso comprar os autotestes?

Os testes rápidos de antigénio (TRAg), na modalidade de autotestes, podem ser adquiridos nos seguintes estabelecimentos:

  • farmácias e parafarmácias
  • supermercados e hipermercados
  • locais de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica

A venda destes dispositivos deve garantir as condições definidas pelo fabricante.

Quem faz a supervisão da realização dos autotestes?

A supervisão e a certificação da realização de teste rápido de antigénio, na modalidade de autoteste, deve ser efetuada por:

  • profissional de saúde integrado em entidade registada na Entidade Reguladora da Saúde ou licenciada pelo INFARMED
  • profissional de saúde inscrito na Ordem Profissional correspondente ou portador de cédula profissional

A supervisão da realização dos autotestes, no momento de acesso ao estabelecimento ou espaço a frequentar, deve ser efetuada por responsável designado para o efeito, devidamente identificado, no estabelecimento ou espaço.

Como é comprovada a certificação destes autotestes?

A certificação da realização de teste rápido de antigénio, na modalidade de autoteste, (exceto nas situação em que o autoteste é realizado no momento de acesso ao estabelecimento ou espaço a frequentar) deve ser comprovada, através da emissão de um documento pelo profissional de saúde, no qual deve constar, obrigatoriamente:

  • identificação do cidadão
  • n.º utente do Serviço Nacional de Saúde ou tipo e n.º de documento de identificação
  • data e hora da realização do autoteste
  • identificação da marca comercial, do fabricante e do lote do autoteste
  • resultado do autoteste
  • identificação do responsável pela supervisão e certificação:
    • profissão
    • n.º de inscrição na Ordem Profissional ou n.º da cédula profissional
    • n.º de registo da entidade na Entidade Reguladora da Saúde ou INFARMED, se aplicável

Qual a finalidade de se fazerem os testes?

Os testes devem ser realizados e interpretados com uma finalidade clínica e de saúde pública:

  • diagnóstico da COVID-19 em:
    • doentes com suspeita
    • contactos de alo e baixo risco com caso confirmado
  • rastreios em:
    • contextos comunitários ou ocupacionais
    • populações vulneráveis
    • unidades de saúde
    • contexto profissional
    • medida de proteção da saúde pública

Qual é o teste habitualmente usado para o diagnóstico da COVID-19?

O teste de referência para o diagnóstico da COVID-19 é o Teste Molecular de Amplificação de Ácidos Nucleicos (TAAN).

Em situação de surto devem ser, preferencialmente, realizados os testes rápidos para reduzir o tempo de obtenção de resultados e implementar as medidas necessárias.

Em que situações é utilizado o teste rápido?

Os Testes Rápidos de Antigénio (TRAg) podem ser utilizados:

  • nos primeiros 5 dias de sintomas (inclusive) em doentes sem critérios de internamento
  • em doentes com sintomas e com critérios de internamento, por indisponibilidade dos testes moleculares e/ou que não apresentarem resposta em tempo útil
  • doentes sem sintomas e que tiveram um contacto de alto risco (contacto próximo com um doente com COVID-19), por indisponibilidade dos testes moleculares e/ou que não apresentarem resposta em tempo útil

Quem deve fazer o teste laboratorial da COVID-19?

As pessoas com suspeita de COVID-19 devem ser submetidos a teste laboratorial, segundo a orientação da Direção-Geral da Saúde. A decisão da realização do teste só é válida após a avaliação clínica dos profissionais de saúde que estão habilitados para a fazer.

Quem são os doentes com suspeita da COVID-19?

Todas as pessoas que desenvolvam:

  • quadro clínico sugestivo de infeção respiratória aguda com pelo menos um dos seguintes sintomas:
    • tosse de novo ou agravamento da tosse habitual ou associada a cefaleias ou mialgias, ou
    • febre: temperatura ≥ 38.0ºC sem outra causa atribuível, ou
    • dificuldade respiratória/dispneia, sem outra causa atribuível
  • perda total ou parcial do olfato (anosmia), enfraquecimento do paladar (ageusia) e perturbação ou diminuição do paladar (disgeusia) de início súbito

são considerados suspeitos de COVID-19.

Onde é feito o teste da COVID-19?

O teste pode ser realizado nos seguintes locais:

Quais são os laboratórios onde posso fazer o teste?

Para além dos hospitais que fazem testes às pessoas com indicação para avaliação clínica hospitalar, os postos de colheita disponíveis na comunidade para a realização de testes da COVID-19 podem ser consultados na lista de laboratórios. Esta lista pode sofrer atualizações frequentes.

Como são efetuados os testes?

Para o diagnóstico da COVID-19 está indicada a colheita de:

  • amostras do nariz e garganta (trato respiratório superior): é recolhida uma amostra de produto (exsudado) nasal (nasofaringe) ou da parte posterior da garganta (orofaringe), ou ambas, usando uma “espécie de cotonete” (zaragatoa)

Por que é importante fazer o teste?

O teste permite que as pessoas possam ter a confirmação se estão, ou não, infetadas. Isto pode ajudá-las a receber os cuidados que necessitam, mas também a tomar as medidas para não infetarem outras pessoas, ou seja colocarem-se em isolamento.

Por outro lado, os testes permitem a deteção e isolamento precoce de casos, reduzir e controlar a transmissão da infeção, prevenir e mitigar o impacto d infeção nos serviços de saúde e populações vulneráveis e monitorizar a evolução da pandemia.

Se tiver tosse ou febre o que devo fazer?

Caso tenha febre ou tosse deve contactar o SNS 24 – 808 24 24 24 e escolher a opção 1. Pode também contactar as linhas telefónicas que foram criadas para este efeito pelas Administrações Regionais de Saúde (ARS) e pelos centros de saúde (unidades de saúde familiares e/ou unidades de cuidados de saúde personalizados).
Se tiver qualquer outro sintoma ligue também SNS 24 – 808 24 24 24 ou 112 se for uma emergência.

Recebi indicação para fazer o teste. O que tenho de fazer?

O doente ou seu representante, após receber a requisição do teste da COVID-19 deve:

  • contactar telefonicamente o laboratório onde pretende realizar o teste da COVID-19
  • agendar telefonicamente a realização do teste

A colheita das amostras deve ser realizada no domicílio ou em pontos de colheita destinados ao efeito conforme a lista de laboratórios.

Os testes são seguros e fiáveis?

Sim. Os testes utilizados em Portugal são os recomendados pelas autoridades de saúde internacionais, quer pelo Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC), quer pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

Fonte: Direção-Geral da Saúde (DGS)

Ver temas relacionados