Urgências

3 minutos de leitura

O que é uma situação de urgência?

São todas as situações em que a demora de diagnóstico ou de tratamento pode trazer grave risco ou prejuízo para a vítima, por exemplo enfarte agudo do miocárdio (ataque cardíaco), acidente vascular cerebral (AVC), dificuldade respiratória marcada, traumatismos graves, intoxicações agudas ou queimaduras.

Algumas urgências, pela extrema gravidade da situação ou porque implicam o transporte rápido e assistido do doente para uma unidade de saúde específica, são consideradas emergências médicas.

Posso ir diretamente ao serviço de urgência de um hospital?

Sim, mas só em situações graves. Nas restantes situações, deve procurar o serviço de atendimento permanente do centro de saúde da área de ocorrência. Muitos centros de saúde têm serviço de atendimento permanente em horário alargado.

Se tiver dúvidas sobre o seu caso em concreto, deverá ligar para o SNS 24 – 808 24 24 24, que o orientará sobre o procedimento mais apropriado e que, inclusive, transfere a sua chamada para o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), caso reconheça uma situação que precise da intervenção de uma equipa de emergência médica.

O que devo fazer numa situação de emergência? Que número de telefone devo usar?

Numa situação de emergência deve ligar, imediatamente  112. Este é o número de emergências em Portugal e nos restantes membros da União Europeia. Esta chamada é gratuita.

Que informação devo dar à pessoa que atende o telefone de emergência?

Deve estar pronto para cooperar com os profissionais que atendem as chamadas, respondendo a todas as perguntas que são colocadas. Informe, de forma simples e clara:

  • a localização exata e, sempre que possível, com indicação de pontos de referência (esta localização é imprescindível para enviar a ajuda necessária, devendo ser o mais completa possível)
  • o número de telefone do qual está a ligar
  • o tipo de situação (doença, acidente, parto, etc.)
  • o número, sexo e idade aparente das pessoas a necessitar de socorro/assistência
  • as queixas principais e as alterações que observa

O 112 é o número nacional de socorro, servindo para todo o tipo de urgências (questões de saúde, incêndios, assaltos, etc.). Por esse motivo, a chamada é atendida inicialmente por um agente de autoridade, que fará uma breve abordagem, no sentido de verificar se se trata de uma situação de polícia, bombeiros ou saúde para, posteriormente, lhe dar o encaminhamento devido.

Se não for uma emergência, o técnico que atende o telefone dá-me indicações sobre o que devo fazer?

Sim. A Central de Emergência do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) indica o que deve fazer de acordo com o tipo de situação. Mesmo nos casos em que não esteja indicado o envio de meios de emergência médica (ambulâncias ou outro tipo de meios), o INEM transfere a chamada para o SNS 24 – 808 24 24 24 para que sejam prestados esclarecimentos adicionais e realizado o aconselhamento necessário.

Quando há intoxicação ou envenenamento, o que devo fazer?

Em caso de intoxicação ou envenenamento, que apresente sinais de gravidade, (como perda dos sentidos, convulsões ou dificuldade respiratória), deve ligar imediatamente 112.

Nas restantes situações, deve contactar o Centro de Informação de Antivenenos (CIAV) do INEM, também conhecido por Centro de Intoxicações, através do número de telefone 808 250 143. Este atendimento funciona 24 horas por dia. Para cada caso, será informado sobre as medidas que deve tomar. Sempre que necessitar de recorrer a este serviço, procure estar na posse de informação que possa ajudar o CIAV a identificar a situação:

  • nome/utilidade do produto
  • quantidade envolvida
  • hora provável do contacto

Qualquer pessoa pode aprender a socorrer?

Sim, até uma criança pode aprender gestos simples que salvam vidas. Existem cursos de socorrismo e de reanimação (suporte básico de vida), ministrados por várias entidades e instituições como o INEM, a Cruz Vermelha Portuguesa ou a Escola Nacional de Bombeiros, que se destinam a profissionais ou ao público em geral.

Os conhecimentos básicos de socorrismo e de reanimação adquiridos permitem atuar até que o auxílio adequado chegue ao local. Esta aprendizagem inclui os procedimentos indicados nas situações de urgência e os conhecimentos sobre o que não deve ser feito, pelos perigos que, por vezes, uma atuação não apropriada pode trazer à vítima.

Fonte: ARS Norte (adaptado)

Ver temas relacionados

Feedback Sim

Feedback Não