Hipertensão arterial

7 minutos de leitura

O que é a hipertensão arterial?

A hipertensão arterial (HTA) caracteriza-se por uma pressão sanguínea excessiva na parede das artérias, acima dos valores considerados normais, que ocorre de forma crónica. Define-se hipertensão arterial quando a pressão máxima é maior ou igual a 140 mmHg (vulgo 14), ou a pressão mínima é maior ou igual a 90 mmHg (vulgo 9).

Na Europa estima-se que a hipertensão arterial afete cerca de 35-40% da população, e em Portugal estima-se que a prevalência de hipertensão arterial na população adulta seja de 42,6%. Dos doentes com hipertensão arterial, menos de metade estão medicados com fármacos anti hipertensores e só 11,2% estão controlados.

O que é a pressão arterial?

A pressão arterial é a força que o sangue faz sobre a parede das artérias, durante a sua circulação, e resulta em duas medidas:

  • sistólica ou “máxima”: aparece em primeiro lugar e mede a força com que o coração se contrai e “expulsa” o sangue do seu interior
  • diastólica ou “mínima”: é o segundo valor e diz respeito à medição da pressão quando o coração relaxa entre cada batimento

Quando a pressão arterial é normal permite que o sangue se distribua por todo o corpo, chegando a todos os órgãos, embora o valor da pressão arterial não seja sempre igual variando (dentro dos valores normais) durante as 24h do dia.

Em determinados momentos, o valor de pressão arterial pode aumentar devido a esforços físicos ou emocionais, e após a resolução dessas situações, é normal que os seus valores voltem aos níveis considerados normais. Com o avançar da idade a pressão arterial também aumenta.

A pressão arterial tem consequências negativas para a saúde quando se encontra elevada de forma crónica ou quando aumenta subitamente.

Existe mais do que um tipo de hipertensão arterial?

Existem dois tipos de hipertensão arterial:

  • primária (também chamada por vezes de essencial), é aquela em que não é conhecida a causa, e que é a situação mais frequente (aproximadamente 90-95% dos casos). No entanto, apesar de não se conhecer a causa, sabe-se que algumas situações podem facilitar o aumento da pressão arterial, nomeadamente:
    • o consumo excessivo de sal
    • a obesidade
    • o envelhecimento
    • o stress emocional
    • entre outros fatores
  • secundária, nos doentes em que a causa é identificável e poderá ser tratada com uma intervenção específica e dirigida

Quais os sintomas da hipertensão arterial?

É habitual dizer-se que a hipertensão arterial é uma doença silenciosa porque na grande maioria das vezes não causa sintomas. No entanto, com o decorrer dos anos, a pressão arterial acaba por danificar precocemente os vasos sanguíneos e os principais órgãos do organismo, como o cérebro, o rim e o coração, podendo provocar sintomas como:

  • dores de cabeça
  • tonturas
  • zumbidos
  • aumento dos batimentos cardíacos
  • dor no peito
  • falta de ar

Quais as causas da hipertensão arterial?

A hipertensão arterial pode ser causada por:

  • stress
  • excesso de peso
  • ingestão excessiva de sal, açúcar ou de álcool
  • tabaco
  • colesterol elevado

Também pode ser causada por doenças ou determinadas condições, como:

  • apneia do sono
  • doença renal
  • Síndrome de Cushing
  • feocromocitoma
  • hiperaldosteronismo primário
  • coartação da aorta
  • doença tiroideia e paratiroideia
  • contracetivos orais, descongestionantes nasais, fármacos dietéticos
  • gravidez

Quais as consequências da hipertensão arterial?

A longo prazo, a hipertensão arterial é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de:

  • Acidente Vascular Cerebral (AVC)
  • ataque cardíaco
  • insuficiência cardíaca
  • insuficiência renal
  • perda gradual da visão
  • disfunção eréctil
  • doença arterial periférica

Como se diagnostica a hipertensão arterial?

Como já foi referido, a hipertensão arterial é uma doença silenciosa, podendo nunca manifestar sintomas. Assim, o seu diagnóstico baseia-se na medição dos valores de pressão arterial (≥140/90 mmHg), e verificação que estão acima dos considerados normais, em mais do que uma avaliação. Ou seja, um valor de pressão arterial elevado isoladamente não significa que a pessoa seja hipertensa.

Em cada visita médica a pressão arterial deve ser avaliada 3 vezes, com 1 a 2 minutos de diferença. A pressão arterial a considerar é a média das duas últimas avaliações.

Em alternativa, a pressão arterial pode ser avaliada pela própria pessoa em sua casa, ou através de um aparelho de Monitorização Ambulatória da Pressão Arterial (MAPA) durante 24 horas.

Uma vez confirmada a existência de hipertensão, devem ser também realizados outros exames que ajudem a entender a sua origem e as suas complicações, como:

  • história familiar e clínica
  • exame físico
  • análises sanguíneas e à urina
  • eletrocardiograma
  • ecocardiograma
  • ecografia carotídea e abdominal
  • entre outros

Como e quando devo medir a pressão arterial?

Todos os adultos (≥18 anos) devem avaliar a sua pressão arterial nas visitas médicas, e deve ser registada no seu processo clínico.
É importante salientar que antes da avaliação da pressão arterial se deve:

  • evitar fumar e consumir café
  • descansar na posição sentada pelo menos durante 5 minutos

No ato de medição, as costas e os braços devem estar apoiados e devem ser obtidas três medições da pressão arterial com 1-2 minutos de diferença. O valor de pressão arterial a considerar resulta da média das duas últimas avaliações.

Na primeira avaliação médica deve ser avaliada a pressão arterial nos dois braços, e nas avaliações seguintes deve utilizar-se o braço com o valor mais elevado.

A repetição da avaliação deve ser feita:

  • a cada 5 anos, quando apresentar valores de pressão arterial <120/80 mmHg
  • a cada 3 anos, quando apresentar valores entre os 120-129/80-84 mmHg
  • anualmente, quando apresentar valores de pressão arterial entre 130-139/85-89 mmHg

Onde posso medir a pressão arterial?

A pressão arterial pode ser medida:

  • no consultório do médico
  • em casa
  • através de monitorização ambulatória da mesma (MAPA)

Em todos os casos, é importante que a pressão arterial seja medida cuidadosamente utilizando um equipamento validado pelo seu médico ou farmacêutico.

A hipertensão arterial pode ser fatal?

A ocorrência de uma elevação súbita e marcada da pressão arterial é conhecida como crise hipertensiva. A sua gravidade relaciona-se, principalmente, com o grau da elevação da pressão arterial e com a rapidez de instalação, e não tanto com o valor absoluto da pressão arterial.

Quando a crise hipertensiva se associa a sinais e sintomas de lesão de órgãos-alvo (coração, rim, cérebro, etc.) denomina-se de emergência hipertensiva e pode ser ameaçadora de vida.

A hipertensão arterial pode ser prevenida?

Sim. Para prevenir a hipertensão arterial, o passo inicial é melhorar o seu estilo de vida:

  • não fumar
  • ter uma alimentação saudável
  • fazer exercício físico regular
  • evitar consumo excessivo de álcool
  • controlo de peso

Quem é que está mais vulnerável a desenvolver hipertensão arterial?

Cerca de 90% dos casos de hipertensão arterial são de causa não totalmente esclarecida, no entanto, fatores relacionados com o estilo de vida como a obesidade, o consumo excessivo de álcool, tabagismo, sedentarismo, podem tornar uma pessoa mais vulnerável a desenvolver hipertensão arterial.

Devo ter algum cuidado com a alimentação?

Sim. Em caso de hipertensão arterial deve reduzir e controlar a ingestão de sal, sódio e açúcar na sua alimentação.

Como se trata a hipertensão arterial?

O tratamento da hipertensão arterial depende da sua gravidade. Numa primeira fase, devem-se alterar os hábitos alimentares e estilos de vida. Se estas mudanças não forem suficientes, existem diversos medicamentos disponíveis para o tratamento da hipertensão arterial, que podem ser usados isoladamente ou em combinação. Caberá ao médico decidir qual o melhor tratamento para cada caso.

Se tiver hipertensão arterial, devo consultar o médico antes de engravidar?

Sim. A hipertensão arterial afeta cerca de 5-10% das mulheres grávidas, e constitui uma causa muito importante de doença (morbilidade) e até mortalidade, quer para a mãe, quer para o feto.

Nas mulheres que já têm hipertensão arterial antes de engravidar, é de extrema importância que sejam orientadas para uma consulta especializada, para que a sua pressão arterial seja controlada. É fundamental também, rever a medicação anti hipertensora nestas mulheres, para que esta não seja prejudicial para o futuro bebé.

As crianças também podem ter a pressão arterial alta?

Sim. O número de casos (prevalência) de hipertensão arterial em crianças e adolescentes entre os 4 e os 18 anos varia de 2,2% a 13%, verificando-se que este número está a aumentar com a epidemia da obesidade.

A partir de que idade se deve medir a pressão arterial?

A pressão arterial deve ser avaliada em crianças a partir dos 3 anos de idade. Uma vez medida a pressão arterial, as crianças e adolescentes com:

  • valores de pressão arterial normais, devem ser reavaliados a cada 2 anos
  • pressão arterial elevada e sem lesão de órgão-alvo, devem ser avaliadas anualmente

As crianças devem consumir a mesma quantidade de sal ou açúcar do adulto?

Não. O consumo de açúcar e sal nas crianças e adolescentes está associado a maior risco de desenvolvimento de hipertensão arterial. As recomendações para a ingestão de açúcar e sal são de quantidades inferiores às do adulto.

Quais são as causas da hipertensão arterial na infância?

Na infância, tal como acontece nada vida adulta, a hipertensão arterial também pode ser considerada primária ou secundária.
A hipertensão arterial na infância está associada:

  • epidemia da obesidade
  • sedentarismo
  • consumo excessivo de sal ou açúcar
  • consumo de álcool e tabaco
  • diabetes
  • colesterol elevado
  • entre outras

Também devem ser consideradas causas como:

  • apneia do sono
  • doença renal
  • doença endocrinológica
  • toma de medicamentos

Fonte: Sociedade Portuguesa de Cardiologia

Ver temas relacionados

Feedback Sim

Feedback Não