Ir para o conteúdo
Logótipo do Serviço Nacional de Saúde 24
|
Amigdalite

O que é uma amigdalite?

Chamamos amigdalite a uma infeção das vias respiratórias superiores, mais especificamente, nas amígdalas que se situam na parede lateral da garganta, entre o céu da boca e a língua.

Quais são as causas da amigdalite?

A amigdalite pode ser provocada por vírus ou bactérias, sendo que as amigdalites virais são mais comuns.

Quando a infeção é bacteriana, a bactéria mais comum é o Streptococcus pyogenes/ Streptococcus do grupo A. Na idade pediátrica as amigdalites bacterianas são mais frequentes entre os 5 e os 15 anos.

Quais são os sintomas da amigdalite?

Perante uma amigdalite bacteriana os sintomas e sinais mais comuns são:

  • febre elevada (39 – 40ºC)
  • odinofagia – dor de garganta ao engolir alimentos, bebidas ou saliva
  • presença de pus nas amígdalas
  • amígdalas vermelhas e inchadas
  • náuseas
  • vómitos
  • dores abdominais

Já no caso da amigdalite viral, é comum sentir:

  • febre
  • odinofagia/dor de garganta ligeira
  • congestão nasal
  • tosse
  • rouquidão
  • diarreia
  • conjuntivite
  • vesículas na boca/garganta
  • presença de pus nas amígdalas (menos comum que nas amigdalites bacterianas)

Como se transmitem estes vírus ou bactérias?

A amigdalite pode ser transmitida pessoa-a-pessoa através do contacto direto com secreções da garganta ou do nariz de pessoas infetadas.

A propagação é mais frequente no inverno e primavera. Existem algumas condições que facilitam a propagação do vírus, nomeadamente, a presença em locais fechados e com grandes grupos, como escolas e infantários.

A amigdalite pode evoluir para outras complicações?

Sim. Por vezes, a infeção viral ou bacteriana pode evoluir e causar:

  • otite média aguda
  • adenite mesentérica (inflamação dos gânglios linfáticos junto ao intestino)
  • sinusite
  • abcesso junto às amígdalas
  • febre reumática
  • glomerulonefrite aguda (inflamação do rim)

Como posso prevenir esta infeção?

Existem alguns hábitos e comportamentos de higiene que podem ajudar a prevenir uma amigdalite, tais como:

  • evitar contacto próximo com indivíduos com amigdalite ou garganta inflamada
  • adotar uma etiqueta respiratória – tapar a boca quando se tosse ou espirra
  • lavar as mãos frequentemente
  • evitar a partilha de copos, talheres, garrafas de água, entre outros utensílios de uso individual

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da amigdalite envolve a avaliação de sintomas e observação da garganta.

Adicionalmente, pode ainda ser pedido um exame de exsudado orofaríngeo, onde é feita a colheita de secreções da garganta com uma zaragatoa para análise laboratorial.

Qual é o tratamento da amigdalite?

O tratamento da amigdalite difere consoante a sua causa, se é viral ou bacteriana.

No caso de infeção viral, não existe um tratamento específico. Os cuidados mais importantes são:

  • ingestão de muitos líquidos
  • se necessário, a toma de medicamentos dirigida aos sintomas causados pela doença, para alívio da dor e febre
  • alívio da dor através de: comer dieta mais mole, comida fria, gargarejar água morna com sal (crianças com mais de 6 anos), bebericar chá morno ou frio com limão e mel (mel apenas em crianças com mais de 12 meses)

No caso de infeção bacteriana, são recomendados os cuidados acima descritos e ainda o tratamento através de antibiótico. Estes são sempre prescritos por um médico e devem ser tomados até ao fim dos dias indicados pelo médico, mesmo que os sintomas já tenham desaparecido.

As amigdalites precisam sempre de antibiótico?

Nem sempre. Os antibióticos só devem ser prescritos em caso de infeção bacteriana, pois o seu uso indevido ou excessivo em casos desnecessários favorece o aparecimento de organismos resistentes.

Posso ter várias amigdalites seguidas?

Sim, algumas pessoas procuram um médico por repetidos episódios de amigdalite.

A amigdalite bacteriana é uma doença de evicção escolar obrigatória?

Sim. Se a amigdalite for causada pelo Streptococcus do grupo A, a evicção escolar deve manter-se até 24 horas após o início do tratamento.

 

Fonte: Direção-Geral da Saúde (DGS)

Guardar:
Esta informação foi útil?
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Assuntos relacionados