Transmissão

6 minutos de leitura

Como se transmite?

Com base na evidência científica atual, o vírus que provoca a COVID-19 transmite-se principalmente através de:

  • contacto direto:
    • disseminação de gotículas respiratórias produzidas quando por exemplo, uma pessoa infetada tosse, espirra ou fala, e podem ser inaladas ou pousar na boca, nariz ou olhos de pessoas que estão próximas (< 2 metros)
  • contacto indireto:
    • através do contacto das mãos com uma superfície ou objeto contaminado com o vírus e que, em seguida, contactam com a boca, nariz ou olhos

Em que fase do surto está Portugal?

Portugal está na fase de mitigação. Abaixo encontram-se as fases que existem durante um surto/epidemia/pandemia:

Fase de preparação Não existe epidemia ou epidemia concentrada fora de Portugal
 

 Fase de resposta

   1. Contenção 1.1 Epicentro identificado fora de Portugal, com transmissão internacional
1.2 Casos importados na Europa
   2. Contenção alargada 2.1 Cadeias secundárias de transmissão na Europa
2.2 Casos importados em Portugal, sem cadeias secundárias
   3. Mitigação 3.1 Transmissão local em ambiente fechado
3.2 Transmissão comunitária
Fase de recuperação Atividade da doença decresce em Portugal e no Mundo

 

O que é um contacto próximo?

Um contacto próximo pode ser considerado nas seguintes situações:

  • pessoa com exposição associada a cuidados de saúde, nomeadamente a prestação de cuidados diretos a doente com COVID-19 ou o contacto em ambiente laboratorial com amostras de COVID-19
  • contacto em proximidade ou em ambiente fechado com um doente com COVID-19
  • pessoas que viagem com doente com COVID-19:
    • companheiros de viagem
    • num avião: as pessoas que estão dois lugares à esquerda ou à direita do doente, 2 lugares nas duas filas consecutivas à frente do doente e dois lugares nas duas filas consecutivas atrás do doente e tripulantes de bordo que serviram a secção do doente
    • num navio: pessoas que partilharam a mesma cabine e tripulantes de bordo que serviram a cabine do doente

Existe mais do que um tipo de contacto próximo?

Sim. Os contactos próximos podem ser de dois tipos:

  • alto risco de exposição – são aqueles que estiveram em proximidade (até 2 metros) ou que ficaram em ambientes fechados durante 15 minutos e a menos de 2 metros com um doente com COVID-19

Estas pessoas devem ficar em vigilância ativa, ou seja, com acompanhamento diário de sintomas pela autoridade de saúde local, durante 14 dias desde a data da última exposição.

  • baixo de rico de exposição – são aqueles que tiveram contacto por momentos com um doente com COVID-19 (durante uma conversa frente a frente até 15 minutos)

Estas pessoas ficam em vigilância passiva, ou seja, com acompanhamento diário de sintomas pelo próprio durante 14 dias desde a data da sua última exposição.
A avaliação de risco é feita caso a caso pela autoridade de saúde (delegados de saúde).

O que devo fazer se estiver em vigilância ativa?

Se tiver em vigilância ativa, a autoridade de saúde pode:

  • contactá-lo, presencialmente ou por telefone, pelo menos uma vez por dia, para fazer o ponto de situação diário, relativamente aos seus sintomas
  • informá-lo dos procedimentos que terá de fazer e das medidas a tomar, para sua proteção e dos seus familiares

Além disso, deverá ainda:

  • medir a temperatura corporal duas vezes por dia
  • manter-se em casa e evitar sair. Em caso de precisar sair por motivos de força maior, deve informar sempre com antecedência, o profissional de saúde que o acompanha, e seguir as recomendações
  • não usar transportes públicos coletivos ou individuais (ex.: táxi, metro, autocarro, comboio)
  • contactar a autoridade de saúde se aparecerem sintomas

O que devo fazer se estiver em vigilância passiva?

Se tiver em vigilância passiva, deve:

  • cumprir todas as recomendações e regras das autoridades de saúde
  • medir a temperatura corporal duas vezes por dia
  • evitar o contacto social
  • no caso de ter sintomas (febre (temperatura ≥ 38.0ºC), tosse ou dificuldade respiratória), contactar o SNS 24 – 808 24 24 24

Já fui infetado pelo novo coronavírus. Posso voltar a ser infetado?

Os peritos acham pouco provável porque somente num estudo foi relatada essa possibilidade. Ou seja, não existe suficiente evidência científica dessa possibilidade.

Quanto tempo o novo coronavírus sobrevive nas superfícies/objetos?

O vírus pode sobreviver em superfícies durante horas ou até dias se estas superfícies não forem limpas e desinfetadas com frequência.
O tempo que o vírus persiste nas superfícies pode variar sob diferentes condições, por exemplo:

  • o tipo de superfície
  • a temperatura
  • a humidade do ambiente
  • a carga viral inicial que originou a exposição

Estudos recentes mostram que o vírus que provoca a COVID-19 se pode manter ativo em superfícies como:

  • plástico ou metal, por um período máximo de cerca de 72 horas
  • em aerossóis, por um período máximo de 3h
  • mais porosas como cartão, por um período de 24h

Para que não haja acumulação de vírus nas superfícies deve, na sua casa ou em espaços públicos, limpar mais vezes as superfícies. Pode utilizar detergente e desinfetante comum de uso doméstico, por exemplo a lixívia ou o álcool.

Os animais domésticos podem transmitir o novo coronavírus?

Não. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, não há evidência de que os animais domésticos, tais como cães e gatos, tenham sido infetados e que, consequentemente, possam transmitir o novo coronavírus.

O novo coronavírus pode ser transmitido através de alimentos, incluindo os refrigerados e congelados?

Os coronavírus transmitem-se, geralmente, de pessoa para pessoa através de gotículas respiratórias. Atualmente, não há evidência que suporte a transmissão do novo coronavírus pelos alimentos. Antes de preparar ou consumir alimentos, é importante lavar sempre as mãos com água e sabão durante 20 segundos.

Como os coronavírus têm uma reduzida capacidade de sobrevivência em superfícies, o risco de transmissão por produtos alimentares ou embalagens, enviados num período de dias ou semanas à temperatura ambiente, refrigerada ou congelada, é reduzido.

As mulheres grávidas com COVID-19 podem transmitir o vírus ao feto ou ao recém-nascido (transmissão vertical)?

Ainda não se sabe se uma mulher grávida com COVID-19 pode transmitir o vírus que causa o COVID-19 ao feto ou ao recém-nascido por outras vias de transmissão vertical (antes, durante ou após o parto).

Tenho COVID-19, posso amamentar?

Pode. Não está demonstrado que o leite materno seja uma fonte de contaminação, pelo que, até ao momento, aconselha-se a continuação do aleitamento materno. A transmissão mãe-filho neste período, a acontecer, será muito provavelmente pelo contacto direto (proximidade física) da mãe com a criança e não através do leite.

É possível uma pessoa não estar infetada e ser transmissora?

Não, a pessoa tem de estar infetada para transmitir a infeção a outros. Estar infetado quer dizer que o vírus se multiplicou no organismo de uma pessoa podendo transmitir a infeção.

O clima influencia a COVID-19?

Ainda não é conhecido se o clima ou a temperatura afetam a propagação do COVID-19. Outros vírus, por exemplo os que causam gripe, têm uma maior propagação durante os meses mais frios. Contudo, isso não significa que não se fique doente devido a estes vírus durante os restantes meses.

De momento, não há evidência de que a propagação do novo coronavírus irá diminuir quando o clima ficar mais quente. Ainda ocorre investigação sobre o modo de transmissão, a gravidade e outras informações relacionadas com o novo coronavírus.

Fonte: Direção-Geral da Saúde (DGS)

Ver temas relacionados

Feedback Sim

Feedback Não