Ir para o conteúdo
alertAVISO|Vacina COVID-19|

As pessoas com mais de 60 anos já podem fazer o reforço sazonal de outono da vacina COVID-19, na modalidade de Casa Aberta.

|Ver mais

COVID-19

Vacina COVID-19

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no Linkedin
( Atualizado a 30/11/2022 )
9 minutos de leitura

Qual o principal objetivo da vacinação COVID-19?

A vacinação contra a COVID-19 surge com objetivo prevenir o surgimento de doença grave, a hospitalização e a morte por infeção pelo vírus SARS-CoV-2.

Quais as vacinas que estão disponíveis em Portugal?

Estão disponíveis em Portugal as seguintes vacinas:

  • Comirnaty®
  • Spikevax® (anteriormente designada de COVID-19 Vaccine Moderna®)
  • Vaxzevria® (anteriormente designada de COVID-19 Vaccine AstraZeneca®)
  • COVID-19 Vaccine Janssen®
  • Jcovden® (anteriormente designada COVID-19 Vaccine Janssen®)
  • Nuvaxovid®
  • Comirnaty Original/Omicron®
  • Spikevax bivalente Original/Omicron®

A modalidade de vacinação “casa aberta” continua a funcionar?

Sim. Atualmente a modalidade “casa aberta” encontra-se disponível para a vacinação:

  • primária contra a COVID-19 para utentes com idade igual ou superior a 12 anos
  • reforço contra a COVID-19 para utentes dos 18 aos 59 anos
  • reforço sazonal de outono contra a COVID-19 para:
    • pessoas com 60 ou mais anos
    • grupos Profissionais prioritários
      • profissionais em lares (ERPI), instituições similares e Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI)
      • profissionais dos serviços de saúde e de outros serviços prestadores de cuidados de saúde
      • estudantes em estágio clínico
      • bombeiros envolvidos no transporte de doentes
      • profissionais de estabelecimentos prisionais

Para ser vacinado basta dirigir-se diretamente ao ponto de vacinação ou ao centro de saúde.

A vacinação contra a COVID-19 para crianças entre 5 e 11 anos deverá ser agendada previamente em qualquer ponto de vacinação ou centro de saúde.

A vacinação de reforço sazonal de outono contra a COVID-19 para os grupos profissionais deverá ser feita com recurso a senhas digitais.

Quais são os esquemas vacinais primários recomendados?

Os esquemas vacinais primários recomendados contra a COVID-19 dependem da história de infeção por SARS-CoV-2, da vacina e das especificidades de cada uma. Assim:

pessoas sem história de infeção podem ser vacinadas com:

  • duas doses de Comirnaty®:
    • com intervalo recomendado de 21 a 28 dias, para as pessoas com idade igual ou superior a 12 anos de idade
    • com intervalo de 6 a 8 semanas para as pessoas com 5 a 11 anos de idade
  • duas doses de Spikevax®:
    • com intervalo mínimo de 25 dias, intervalo recomendado de 28 dias
  • duas doses de Vaxzevria®:
    • com intervalo recomendado de 8 semanas, apenas para as pessoas com 60 anos ou mais de idade
  • pessoas com menos de 60 anos de idade que foram vacinadas com a 1ª dose de Vaxzevria®, devem fazer a 2ª dose com vacina Comirnaty® ou Spikevax®
  • dose única de Jcovden®:
    • para homens no geral ou mulheres com mais de 50 ou mais anos de idade

pessoas com história de infeção antes da primeira dose

  • pode ser vacinada 3 meses/90 dias após a infeção, com uma dose de vacina contra a COVID-19 (Comirnaty®, Spikevax®, Vaxzevria® ou Jcovden®), independentemente de ser uma vacina com esquema vacinal de uma ou duas doses
  • quem apresente imunossupressão é vacinada com um esquema completo de vacinação de acordo com a vacina utilizada

pessoas com história de infeção após a primeira dose (entre doses)

  • quem iniciou a vacinação (incluindo as que apresentem condições de imunossupressão) com uma vacina com um esquema vacinal de duas doses, deve ser vacinado com a 2ª dose, pelo menos, 3 meses após a notificação da infeção por SARSCoV-2
  • as pessoas que foram vacinadas contra a COVID-19 com a vacina Jcovden® apresentam esquema vacinal completo, pelo que não fazem qualquer outra dose de vacina contra a COVID-19 no âmbito do esquema vacinal primário

nas grávidas:

  • devem ser vacinadas com uma vacina de mRNA (Comirnaty® ou Spikevax®), não sendo necessário declaração médica
  • não existe idade materna ou gestacional limite para o início da vacinação
  • a vacinação deve respeitar um intervalo mínimo de 14 dias em relação à administração de outras vacinas
  • a administração da imunoglobulina anti-D não deve ser adiada
  • a amamentação não constitui uma contraindicação para a vacinação

nos adolescentes com:

  • 12-15 anos devem ser vacinados com a vacina Comirnaty®
  • história de Síndrome Inflamatório Multissistémico, deve ser avaliada caso-a-caso pelo médico assistente
  • história de miocardite ou pericardite, deve ser adiada, pelo menos, até à resolução completa do quadro clínico e avaliada caso-a-caso pelo médico assistente

nas crianças com:

  • 5-11 anos de idade devem ser vacinadas com Comirnaty® 10 µg/dose
  • história de Síndrome Inflamatório Multissistémico, deve ser avaliada caso-a-caso pelo médico assistente
  • história de miocardite ou pericardite, deve ser adiada, pelo menos, até à resolução completa do quadro clínico e avaliada caso-a-caso pelo médico assistente
  • que após a 1ª dose de vacina completem 12 anos devem ser vacinadas com a dose adequada à idade no dia da administração com a 2ª dose

Quem deve tomar uma dose adicional da vacina COVID-19?

A dose adicional é administrada como parte do esquema vacinal primário em pessoas com mais 5 ou mais anos com doenças de risco associadas, ou em caso de situação clinicamente fundamentada, mediante orientação e emissão de declaração médica, pelo médico da especialidade.

A vacinação deve ocorrer com um intervalo mínimo de 3 meses (mínimo de 28 dias) após a última dose do esquema vacinal anteriormente realizado.

Quem é elegível a dose de reforço?

São elegíveis para vacinação de reforço, as pessoas com 18 ou mais anos de idade, incluindo as pessoas que recuperaram de infeção por SARS-CoV-2. Devem ser vacinadas com uma dose de reforço de uma vacina de mRNA adaptada (Comirnaty Original/Omicron ou Spikevax Original/Omicron).

As grávidas com 18 ou mais anos de idade devem ser vacinadas com uma dose de reforço, aplicando-se as mesmas regras referidas na questão (acima) dos ‘esquemas primários’.

Quem é elegível para a dose de reforço sazonal?

As pessoas que pertencem aos grupos elegíveis para a dose de reforço sazonal devem ser vacinadas:

  • desde que tenham concluído o esquema vacinal primário com qualquer uma das vacinas contra a COVID-19
  • independentemente do número de reforços realizados anteriormente ou de história prévia de infeção por SARS-CoV-2

Os grupos elegíveis são:

  • pessoas com ≥ 50 anos de idade
  • pessoas com 5-49 anos com doenças de risco (devem ser orientadas e ter a declaração do médico da especialidade)
  • profissionais e residentes em lares (Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas), instituições similares, Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) e estabelecimentos prisionais
  • profissionais dos serviços de saúde (públicos e privados) e de outros serviços prestadores de cuidados de saúde, estudantes em estágio clínico, e bombeiros envolvidos no transporte de doentes, prestadores de cuidados a pessoas dependentes

As pessoas pertencentes aos grupos elegíveis para reforço sazonal que não tenham o esquema vacinal recomendado atualizado:

  • esquema vacinal primário incompleto: completam o esquema vacinal primário e efetuam uma dose de reforço
  • sem o(s) reforço(s) recomendados: efetuam apenas uma dose de reforço

Qual o intervalo recomendado entre a dose de reforço sazonal e o evento mais recente?

O intervalo recomendado entre a dose de reforço sazonal e o evento mais recente (última dose de vacina ou diagnóstico de infeção por SARS-CoV-2) é de 4 a 6 meses (intervalo mínimo: 3 meses).

Estou com sintomas sugestivos de COVID-19, posso tomar a vacina?

Não. As pessoas que apresentem sintomas respiratórios agudos ou com infeção por SARS-CoV-2 não devem dirigir-se aos pontos de vacinação e só devem ser vacinadas após a recuperação.

Posso tomar a vacina contra a COVID-19 ao mesmo tempo da vacina contra a gripe?

Sim. A vacina contra a COVID-19 pode ser juntamente com a vacina inativada contra a gripe. As vacinas devem ser administradas em locais anatómicos diferentes:

  • braço esquerdo: vacina contra a COVID-19
  • braço direito: vacina contra a gripe

Pode também optar por uma administração em dias diferentes com qualquer intervalo entre administrações.

Em que situações estão as vacinas contraindicadas?

As vacinas estão contraindicadas nos casos de:

  • história de hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos seus excipientes
  • reação anafilática a uma dose anterior

Nestas situações aconselhe-se com o seu médico.

As vacinas contra a COVID-19 têm efeitos indesejáveis?

À semelhança de qualquer medicamento, também as vacinas contra a COVID-19 poderão desencadear efeitos indesejáveis. Os efeitos mais frequentes são ligeiros, estão descritos no folheto informativo de cada vacina e incluem:

  • reação no local da injeção
  • dor de cabeça
  • dores musculares ou das articulações
  • febre
  • sensação de cansaço
  • enjoos
  • mal-estar geral

O que devo fazer caso tenha reações adversas à vacina?

Normalmente estes efeitos resolvem-se espontaneamente no prazo de 3 dias. Habitualmente, é suficiente a aplicação gelo várias vezes ao dia, se apresentar dor, inchaço ou calor no local da injeção, por curtos períodos, evitando o contacto direto com a pele, e toma de paracetamol em caso de febre.

Em caso de persistência dos sintomas ou se surgir outra reação que o preocupe, contacte o seu médico assistente ou o SNS 24 – 808 24 24 24.

No entanto, deve consultar o seu médico de imediato em caso de:

  • falta de ar
  • dor no tórax
  • inchaço nas pernas
  • dor abdominal persistente
  • dores de cabeça intensas e persistentes (mais de 3 dias)
  • alterações da visão
  • pontos vermelhos ou manchas na pele em local distinto do local da injeção

Devo notificar as minhas reações adversas?

Sim. Todas as reações adversas devem ser notificadas no Portal RAM do INFARMED, para serem monitorizadas. Em alternativa, podem ser utilizados os seguintes contactos:

Tenho uma dose da vacina contra a COVID-19 de outros países. Como completo o esquema vacinal?

As pessoas com vacinas administradas noutros países:

  • com vacinas correspondentes às utilizadas na UE
    • esquema vacinal primário completo: administrar dose adicional ou dose de reforço
    • esquema vacinal primário incompleto: completar o esquema vacinal primário e, conforme aplicável, administrar dose adicional ou dose de reforço
  • com vacinas não correspondentes às utilizadas na UE, mas com aprovação da Organização Mundial da Saúde
    • esquema vacinal primário completo: administrar dose adicional ou dose de reforço, conforme aplicável, com uma vacina de mRNA (Comirnaty® ou Spikevax®)
    • esquema vacinal primário incompleto:
      • completar o esquema vacinal primário e, conforme aplicável, com uma vacina de mRNA (Comirnaty® ou Spikevax®), pelo menos 8 semanas após a 1ª dose
      • administrar dose adicional ou dose de reforço

As vacinas administradas noutros países também são válidas?

Sim. Do ponto de vista regulamentar são consideradas as seguintes vacinas contra a COVID-19:

  • autorizadas pela União Europeia
  • autorizadas em países terceiros com a mesma empresa como titular das vacinas autorizadas na União Europeia
  • autorizadas em países terceiros com titulares de autorização de introdução no mercado sublicenciados pelos titulares das vacinas autorizadas na União Europeia
  • aprovadas pela Organização Mundial da Saúde

Em que situações é possível fazer alterações ao esquema vacinal recomendado?

Podem ser adaptados os esquemas vacinais recomendados nas seguintes situações:

  • viagens inadiáveis ou programadas, em que o país de destino exige um esquema vacinal diferente do recomendado em Portugal poderá ser administrada:
    • 2ª dose nas vacinas com esquema vacinal primário de duas doses, em pessoas que recuperar de COVID-19, caso o país de destino não aceite o esquema vacina recomendado em Portugal
    • dose de reforço, a pessoas que não pertençam aos grupos prioritários com idade ≥ 12 anos, caso o país de destino não aceite o esquema vacinal recomendado em Portugal (a pessoa, ou o tutor legal do menor, deverá apresentar prova da exigência do país de destino no local de vacinação, dando o seu consentimento livre e esclarecido)
  • nas situações em que o utente apresente uma declaração médica com recomendação de vacinação diferente, devidamente fundamentada (data e assinatura legível, por médico da especialidade ligada aos fundamentos clínicos

Quais as alterações que são possíveis?

São possíveis as seguintes alterações ao esquema vacinal recomendado:

  • antecipação do início da vacinação
  • redução do intervalo entre doses (intervalos mínimos)
  • ser administrada a 2ª dose nas vacinas com esquema vacinal de duas doses, em pessoas que recuperaram de COVID-19, caso o país de destino não aceite o esquema vacinal recomendado em Portugal
  • ser administrada uma dose de reforço a pessoas que não pertençam aos grupos prioritários, com idade ≥ 12 anos, caso o país de destino não aceite o esquema vacinal recomendado em Portugal (a pessoa, ou o tutor legal do menor, deverá apresentar prova da exigência do país de destino no local de vacinação, dando o seu consentimento livre e esclarecido)

Vou tomar a vacina. A falta ao trabalho é justificada?

Sim. A falta ao trabalho para receber a vacina contra a COVID-19 é justificada e não há lugar a perda de retribuição.

A vacina contra a COVID-19 fica registada no boletim de vacinas?

Sim. O registo da vacinação é registado no boletim de vacinas e pode ser consultado através do Portal do SNS 24: Aceder ao boletim de vacinas.

Fonte: Direção-Geral da Saúde (DGS)

Guardar:
Esta informação foi útil?

Assuntos Relacionados

Saiba mais COVID-19
Saiba mais
COVID-19
Aceder Certificado Digital COVID
Aceder
Certificado Digital COVID