Ir para o conteúdo
alertAVISO|Vacina COVID-19|

As pessoas com mais de 60 anos já podem fazer o reforço sazonal de outono da vacina COVID-19, na modalidade de Casa Aberta.

|Ver mais

Doenças infecciosas

Escabiose (sarna)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no Linkedin
( Atualizado a 18/10/2022 )
3 minutos de leitura

O que é a escabiose (sarna)?

A escabiose (vulgarmente conhecida por sarna) é uma infestação da pele causada por um ácaro parasita de tamanho microscópico, chamado Sarcoptes scabiei, que ao infestar a pele provoca uma reação caracterizada pela formação de borbulhas e comichão intensa.

Quais são os sintomas da sarna?

Os sintomas da escabiose ou sarna surgem habitualmente entre 3 a 4 dias ou 3 a 6 semanas após o contágio, dependendo se houve ou não infestação prévia e podem prolongar-se durante várias semanas apresentando:

  • comichão intensa, particularmente à noite
  • borbulhas avermelhadas na pele, sobretudo entre os dedos, axilas, seios, nádegas, punho, joelho, cotovelo, genitais e abdómen (geralmente à volta do umbigo)

Como se transmite a sarna?

A sarna transmite-se através do contacto direto e prolongado com alguém que tenha o parasita. É frequente em pessoas da mesma família ou entre parceiros sexuais.

É pouco provável a transmissão quando: o contacto entre pessoas é curto e através de roupa, roupa de cama ou outros objetos de pessoas com sarna.

Qual é o período de incubação da doença?

O período de incubação varia entre 3 dias e 6 semanas.

A sarna pode transmitir-se entre as pessoas?

Sim. A infeção espalha-se facilmente de humano para humano se não se tomar nenhuma precaução extra ou se alguém da família estiver infetado com o parasita.

Transmite-se através de:

  • contacto direto prolongado com a pele da pessoa infetada, principalmente, por contacto sexual
  • partilha da mesma roupa ou da mesma cama (menos frequente)

Como é feito o diagnóstico?

Habitualmente, o diagnóstico da sarna envolve apenas a elaboração da história clínica completa do utente e a pesquisa de sintomas e sinais da doença. Em casos duvidosos pode ser feita a confirmação através da observação microscópica dos parasitas, dos seus ovos ou fezes.

É possível prevenir esta infestação?

Para prevenir a sarna e a sua transmissão deve:

  • evitar o contacto direto com pessoas infetadas
  • não partilhar objetos pessoais, roupas individuais e roupa de cama e toalhas
  • lavar toda a roupa com água a temperaturas elevadas, ou a seco e passar a roupa a ferro
  • colocar os utensílios não laváveis (como brinquedos, sapatos, cintos) num saco de plástico fechado durante cerca de 1 semana

Quais são as complicações da sarna?

A principal complicação da sarna é o desenvolvimento de uma infeção bacteriana secundária. Esta pode acontecer se forem criadas feridas ao coçar a pele devido à comichão intensa característica da doença.

Qual é o tratamento da sarna?

O tratamento da sarna deve ser sempre prescrito por um médico. Habitualmente, envolve a aplicação de cremes na pele com o propósito de matar o parasita.

Adicionalmente, devem ser tomadas medidas de prevenção de contágio, como a não partilha de objetos pessoais, roupas individuais e roupa de cama e toalhas e o evitar de contacto com outras pessoas.

Que cuidados devo ter com um cão com sarna?

Deve evitar o contacto, por exemplo abraçar ou partilhar a cama, com um cão que tem sarna sarcótica. A cama do cão deve ser mudada e limpa regularmente.

Um cão infetado com sarna deve ser tratado rapidamente.

Para além de minimizar o desconforto do cão, ajuda a evitar a transmissão aos seres humanos. A sarna dos animais geralmente induz uma reação autolimitada nos humanos, uma vez que pertence a uma subespécie que não se reproduz nestes. A maioria dos veterinários recomenda tratar todos os cães na casa que tiveram um surto de sarna, visto que a doença também pode ser contagiosa.

Fonte: Direção-Geral da Saúde (DGS)

Guardar:
Esta informação foi útil?