Ir para o conteúdo
alertAVISO|Vacina COVID-19|

As pessoas com mais de 60 anos já podem fazer o reforço sazonal de outono da vacina COVID-19, na modalidade de Casa Aberta.

|Ver mais

Monkeypox

Vacina Monkeypox

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no Linkedin
( Atualizado a 25/11/2022 )
6 minutos de leitura

A abordagem clínica da infeção humana por vírus Monkeypox inclui a vacinação?

Sim. A vacinação contra o vírus Monkeypox é uma medida que visa interromper cadeias de transmissão do vírus perante uma situação epidemiológica. A vacina tem potencial para prevenir e/ou atenuar as manifestações clínicas desta infeção, podendo ainda diminuir a sua infecciosidade.

A vacina contra o vírus Monkeypox está disponível em Portugal?

Sim. Para prevenir a infeção pelo vírus Monkeypox, em Portugal está autorizada a vacina JYNNEOS®, uma vacina de terceira geração contra a varíola, também autorizada para prevenção de infeção humana por vírus Monkeypox, como medida adicional no controlo do surto de infeção humana pelo vírus.

Qualquer cidadão pode ser vacinado?

Não. Em Portugal, a estratégia de vacinação contra o vírus Monkeypox prevê a utilização da vacina em:

  • grupos com risco acrescido por infeção humana pelo vírus Monkeypox, em contexto de vacinação preventiva
  • pessoas que tenham tido contacto próximo com um caso confirmado de infeção, isto é, em contexto de vacinação pós-exposição ao vírus

Quais são os critérios para ser vacinado?

Atualmente, a vacina destina-se à prevenção da infeção humana por vírus Monkeypox em pessoas com mais de 18 anos e sem história de infeção prévia. Os critérios para a administração são:

  • grupos com risco acrescido de infeção, mediante declaração de elegibilidade:
    • homens que têm sexo com homens, mulheres e pessoas trans, em profilaxia pré-exposição para o VIH com história de múltiplos parceiros sexuais, nos últimos 6 meses
      homens que têm sexo com homens e pessoas trans, que vivam com VIH, E tenham múltiplos parceiros sexuais, nos últimos 6 meses
    • homens que têm sexo com homens e pessoas trans envolvidas em sexo comercial
    • homens que têm sexo com homens e têm imunossupressão grave
    • profissionais de saúde com elevado risco de exposição, envolvidos na colheita e processamento de produtos biológicos de casos de infeção pelo vírus
  • contactos próximos com casos confirmados de infeção humana por vírus Monkeypox:
    • pessoas assintomáticas e sem história prévia de infeção, com contacto próximo de um caso confirmado devem ser vacinadas idealmente até 4 dias após a última exposição, podendo ser vacinadas até 14 dias se continuar sem sintomas e se o caso a que a pessoa foi exposta for provável ou confirmado

Onde posso pedir a declaração de elegibilidade para ser vacinado?

Se cumprir os critérios de vacinação preventiva acima mencionados pode solicitar a declaração de elegibilidade no âmbito de:

  • consultas de profilaxia pré-exposição (PrEP) para VIH
  • tratamento de infeção VIH
  • tratamento de infeções sexualmente transmissíveis (IST) nas especialidades de infeciologia ou/dermato-venereologia
  • consultas médicas em organizações de base comunitária / não governamentais para populações-chave
  • consultas de saúde ocupacional / medicina do trabalho para os profissionais de saúde

Nos casos de vacinação pós-exposição a declaração de elegibilidade para vacinação é emitida pela autoridade de saúde, vulgarmente conhecido por delegado de saúde.

Qual é o esquema vacinal para a vacinação preventiva?

O esquema vacinal em contexto preventivo fica completo com:

  • duas doses, para pessoas sem história de vacinação contra varíola, com um intervalo de pelo menos 28 dias entre doses
  • uma dose, para pessoas com história de vacinação contra a varíola, se a vacina foi dada há mais de 2 anos OU se foi dada há menos de 2 anos, mas o esquema vacinal ficou incompleto

Quais são as indicações para o esquema vacinal pós-exposição?

Se esteve em contacto com uma pessoa infetada, a vacinação pós-exposição é prioritária e não deve ser adiada. Se não houver história de vacinação contra a varíola, o esquema vacinal deve ser de:

  • duas doses em pessoas com exposição ao vírus continuada ou intermitente, com um intervalo de pelo menos 28 dias entre doses
  • uma dose em pessoas sem exposição continuada ou intermitente

Se anteriormente foi vacinado contra a varíola, está indicada a toma de:

  • uma dose, caso a vacina tenha sido dada há mais de 2 anos OU há menos de 2 anos, mas com esquema vacinal incompleto

Quando deve ser efetuada a vacinação?

A vacinação contra o vírus Monkeypox deve ocorrer idealmente nos primeiros 4 dias após o último contacto.

Pode ainda ocorrer até 14 dias após a última exposição, se a pessoa se mantiver sem sintomas (assintomática) e se o caso a que a pessoa foi exposta for provável ou confirmado.

Fiz a vacinação da varíola há menos de 2 anos. Posso fazer a vacina contra o vírus da Monkeypox?

As pessoas com história de vacinação contra a varíola (esquema completo – duas doses), há 2 anos ou menos, não têm indicação para esta vacina.

Já fui infetado pelo vírus do Monkeypox. Posso ser vacinado?

Não. As pessoas com infeção humana pelo vírus Monkeypox prévia confirmada não são elegíveis para vacinação.

Quais as precauções que devo ter antes de ser vacinado?

Antes de ser vacinado, deve ter em conta as seguintes precauções:

  • história de reação anafilática a uma dose anterior, a algum dos constituintes da vacina ou a substâncias que podem estar presentes em quantidades vestigiais. Se houver história, deve ser referenciado para consulta de imunoalergologia para investigação
  • doença aguda grave, com ou sem febre deve aguardar até recuperação completa
  • pessoas com dermatite atópica podem apresentar exacerbação de sintomas como vermelhidão, inchaço, calafrios, dores de cabeça
    pessoas que apresentam uma resposta imunológica diminuída (imunocomprometidas)
  • mulheres grávidas ou amamentar não devem ser vacinadas sem avaliação e prescrição médica
  • pessoas menores de idade não devem ser vacinadas sem avaliação e prescrição médica

As mulheres grávidas ou a amamentar podem ser vacinadas?

Não existem dados sobre a utilização da vacina durante a amamentação e os dados sobre as grávidas são limitados. Assim sendo, se os benefícios esperados ultrapassarem os potenciais riscos, a vacinação preventiva ou pós-exposição deve ser considerada, mediante prescrição médica, em qualquer idade gestacional, após uma avaliação individual do médico que faz a vigilância da gravidez. O mesmo se aplica à mulher a amamentar.

Sou menor de idade. Posso ser vacinado?

Se após uma avaliação médica, os benefícios esperados ultrapassarem os potenciais riscos, a vacinação contra o vírus Monkeypox, na idade pediátrica, ou seja, em pessoas com menos 18 anos, incluindo as que ainda são amamentadas, pode ser considerada, mediante prescrição do médico que realizou a avaliação individual.

A vacina pode provocar reações adversas?

As reações adversas mais frequentes são:

  • em adultos saudáveis nunca vacinados com uma vacina contra a varíola:
    • dor, vermelhidão, inchaço, rigidez ou comichão no local de injeção
    • dores musculares
    • dor de cabeça
    • fadiga
    • náuseas
    • calafrios
  • em adultos saudáveis previamente vacinados com uma vacina contra a varíola as reações adversas mais comuns são:
    • vermelhidão, dor, rigidez, inchaço ou comichão no local de injeção
    • fadiga
    • dor de cabeça
    • dores musculares

Todas as reações adversas devem ser notificadas no Portal RAM do INFARMED, para serem monitorizadas. Em alternativa, podem ser utilizados os seguintes contactos:

Onde posso dirigir-me para ser vacinado?

Se for elegível para ser vacinado consulte os locais de vacinação disponíveis, mediante agendamento prévio.

FonteDireção-Geral da Saúde

Guardar:
Esta informação foi útil?

Assuntos Relacionados

Saiba mais Monkeypox
Saiba mais
Monkeypox