Ir para o conteúdo
alertAVISO|Vacina COVID-19|

As pessoas com mais de 60 anos já podem fazer o reforço sazonal de outono da vacina COVID-19, na modalidade de Casa Aberta.

|Ver mais

Doenças infecciosas

Rubéola

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no Linkedin
( Atualizado a 14/09/2022 )
3 minutos de leitura

O que é a rubéola?

A rubéola é uma doença transmissível, causada pelo vírus da rubéola, sendo caracterizada, por erupções (manchas) vermelhas na pele. É uma infeção viral contagiosa que se transmite de pessoa para pessoa quando alguém infetado com a doença espirra, tosse ou fala, por exemplo, sendo mais comum de acontecer durante a infância.

Quais são os sintomas da rubéola?

Os sintomas da infeção costumam aparecer 12 a 21 dias após o contacto com o vírus, sendo os principais:

  • febre baixa
  • dor de cabeça
  • mal-estar
  • conjuntivite ligeira
  • inflamação e corrimento nasal
  • dor nas articulações
  • tosse

A maior parte dos casos apresenta erupções na pele, caracterizadas pelo aspeto rosa-pálido e textura lisa e regular. Habitualmente, a distribuição é rápida (24 a 48 horas), iniciando-se na face, passando para o pescoço, tronco e extremidades e, geralmente, desaparecem pelo 3º dia.

Antes das erupções da pele, podem ainda aparecer gânglios palpáveis e dolorosos na zona posterior da cabeça e nuca.

Cerca de 25 a 50% dos casos podem não apresentar qualquer sintoma, mas ainda assim, serem transmissores da doença.

Qual é o período de contágio?

O período de contágio da rubéola varia entre 1 e 2 semanas antes e vai até 5 a 7 dias após o aparecimento das erupções na pele. Muitos infetados não manifestam sintomas, mas podem contagiar.

Qual é o período de incubação do vírus da rubéola?

O período de incubação varia de 14 a 17 dias, podendo ir até aos 21 dias.

Como é feito o diagnóstico da doença?

O diagnóstico inicial da rubéola é feito a partir da avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa, além de ser indicada a realização de exame de sangue para verificar a presença dos anticorpos contra a rubéola.

Como se transmite o vírus da rubéola?

O vírus transmite-se por contacto com secreções nasofaríngeas por dispersão de gotículas de pessoas infetadas quando, por exemplo, uma pessoa infetada tosse, espirra ou fala, e podem ser inaladas ou pousar na boca, nariz ou olhos de pessoas que estão próximas.

O vírus pode ainda ser transmitido da mãe para o feto, durante a gravidez, através da corrente sanguínea da mãe com infeção da placenta.

A rubéola pode ocorrer durante a gravidez?

Sim. Quando a infeção é adquirida durante a gestação estamos perante uma rubéola congénita. Nestes casos, a doença pode provocar graves complicações no feto, principalmente se a infeção ocorrer nas primeiras 16 semanas da gravidez.

A doença pode ter várias consequências para o bebé (feto):

  • problemas cardíacos
  • perda de audição
  • problemas de visão
  • deficiência intelectual
  • baixo peso ao nascer
  • aborto espontâneo
  • microcefalia

Existe alguma vacina contra a rubéola?

Sim. A vacina contra a rubéola é combinada com a vacina contra o sarampo e a parotidite epidémica e faz parte do Programa Nacional de Vacinação.

É habitual surgirem complicações durante a doença?

Apesar da rubéola se manifestar, geralmente, como uma infeção leve, em alguns casos, muito raros, podem apresentar complicações como:

  • artrite (mais comum nas mulheres adultas)
  • baixa de plaquetas no sangue
  • infeções cerebrais

Qual é o tratamento da rubéola?

Não existe um tratamento específico para esta doença, pelo que normalmente este é dirigido aos sintomas causados pela doença. Habitualmente, são recomendados:

  • cuidados de suporte, como a toma de medicamentos para alívio de sintomas, como a febre e as dores no corpo
  • hidratação com líquidos orais
  • o isolamento dos doentes, para evitar a transmissão da doença

O meu filho tem rubéola, deve evitar ir à escola?

Sim. O afastamento deve manter-se pelo período mínimo de 7 dias após o início do exantema (manchas na pele). Na dúvida diagnóstica, as mulheres grávidas com menos de 20 semanas, devem manter-se afastadas dos doentes, até ao esclarecimento dos resultados da análise do vírus da rubéola, e quando estas não tenham tido a doença ou não tenham a vacina contra o vírus da rubéola.

Fonte: Direção-Geral da Saúde (DGS)

Guardar:
Esta informação foi útil?